• Balão Intragástrico

      O Balão Intragástrico é uma modalidade terapêutica não cirúrgica no apoio ao tratamento da obesidade. Foi lançada nos Estados Unidos da América, nos moldes atuais, em 1998.

      Como é o balão intragástrico?
      Trata-se de um balão esférico de silicone, que é introduzido vazio dentro do estômago do paciente sob sedação, através de um procedimento de endoscopia digestiva e depois é lentamente preenchido com
      soro e uma substância que o deixa azul.

      O conceito de como funciona é simples, pois depois de cheio, esse balão ocupará parte do espaço do estômago; ele é grande o suficiente para não passar para o intestino delgado e móvel, não impedindo assim o trânsito dos alimentos, mas levará o paciente a ter uma sensação de plenitude.

      Ou seja, com esse espaço preenchido o paciente fica satisfeito em curto espaço de tempo e sobra menos espaço para o alimento que irá ingerir. Outro fator que diminui o risco de migração para o intestino é a dupla camada de silicone, que funciona como uma armadura, impedindo a passagem dele pelo piloro, mesmo quando desinflado.

      Contra Indicações Absolutas do Tratamento:
      - Anormalidades estruturais no esôfago ou faringe, como estreitamento ou divertículos;
      - Gravidez;
      - Varizes de esôfago;
      - Esofagite grave;
      - Esôfago de Barret;
      - Cirurgia gástrica prévia.

      Vantagens e benefícios do Balão Intragástrico
      - A colocação da prótese geralmente não requer internação hospitalar;
      - Não exige afastamento das atividades do dia-a-dia;
      - Em pacientes com obesidade mórbida, pode contribuir para a perda de peso no período preparatório para cirurgia eletiva;
      - Volume ajustável a cada paciente previamente ao procedimento, porém não é possível a alteração do volume após a implantação;
      - Uma opção menos invasiva para o tratamento da obesidade;
      - Baixo risco de desnutrição;
      - Ocupa parte do estômago causando saciedade precoce;
      - Tempo de procedimento bastante pequeno (entre 20 e 30 minutos);
      - Não interfere no processo fisiológico da digestão;
      - Caso haja necessidade ou desejo do paciente, o balão pode ser retirado por outro procedimento endoscópico a qualquer momento;
      - Tempo de permanência no estômago de 06 meses;
      - Perda de peso e manutenção da perda, desde que haja aderência do paciente ao programa de mudança de hábitos higienodietéticos e de atividades físicas;
      - Melhores resultados com a associação de medicamentos;
      - Pode servir como uma experiência para o paciente que tem dúvida de como se comportaria com uma cirurgia bariátrica;
      - Com o Balão Intragástrico não há restrições para atividades físicas.

      Assista o vídeo abaixo e veja como o procedimento é realizado.

  • Cirurgia da Obesidade

      A Cirurgia da obesidade é indicada para casos selecionados. Por meio dela, procura-se reduzir o volume do estômago e, dependendo da técnica, o comprimento do intestino para dificultar a absorção de nutrientes.

      Através da cirurgia é possível a perda e a manutenção do peso com sucesso na maioria dos pacientes. Além disso, comorbidades muito frequentes em pacientes obesos são melhoradas significativamente, como hipertensão arterial e diabetes.

      Técnicas realizadas pelos Profissionais da Gastro Vita:

      ByPass Gástrico
      O ByPass Gástrico é a técnica Bariátrica mais praticada no Brasil e no mundo. Corresponde a 75% das Cirurgias Bariátricas realizadas, devido a sua segurança e, principalmente, sua eficácia. O paciente submetido a cirurgia, perde de 40% a 45% do peso inicial.

      Assista ao vídeo abaixo e veja como a cirurgia é realizada:







    • Gastrectomia Vertical
      Este procedimento praticado desde o início dos anos 2000, transforma o estômago em um tubo com capacidade de 80 a 100 ml. Eficaz na perda de peso e controle da hipertensão.

      Assista o vídeo abaixo e veja como a cirurgia é realizada:




      Para indicá-la, é preciso conhecer o índice de massa corporal (IMC).

      Desde 1991, existe um consenso internacional de que a cirurgia bariátrica tem as seguintes indicações gerais:
      1) IMC maior ou igual a 40;
      2) IMC maior ou igual a 35, quando houver estados mórbidos associados (hipertensão e/ou diabetes difíceis de compensar, limitações ortopédicas, apneia do sono etc.);
      3) Falha no tratamento clínico após 2 anos;
      4) Obesidade grave instalada há mais de 5 anos.
      Segundo o Ministério da Saúde, existem cerca de 2 milhões de pessoas com IMC 40, no Brasil. Como esse número aumenta 3% ao ano, surgem 5.000 casos novos por mês.
      O tratamento clínico das complicações da obesidade custa para o sistema de saúde seis vezes mais do que o cirúrgico, uma vez que a perda de peso induzida pela cirurgia reduz a
      incidência de diabetes, facilita o controle da hipertensão, do colesterol, a correção de problemas ortopédicos e melhora a qualidade de vida.

Corpo Clínico